RELACIONAMENTO: Chegou ao fim?

Será que você ainda tem motivos pra insistir? Essa é uma pergunta que pode ser aplicada a vários campos da vida, seja em um trabalho que tem lhe consumido mais do que deveria, uma amizade que é de mão única, a faculdade que “escolheram” por você, ou tantas outras coisas que às vezes nos consomem por querer agradar os outros. Mas bem na verdade é que agora quero falar sobre namoros e casamentos falidos.

Não é de hoje que as relações amorosas têm se mostrado mais frágeis do que estávamos acostumados a ver antigamente, o modelo de casamento dos nossos avós, tornou-se raridade. Não irei entrar no mérito se era certo ou errado, acho que cada um deve decidir por si só a melhor forma de viver. Apenas estou constatando que atualmente o “casa e separa”, “dá um tempo e volta”, “joga uma sementinha ali e colhe acolá” tornou-se mais comum e natural do que nunca. Sendo assim, quero pensar com você: até quando vale a pena insistir?

Tenho trabalhado com vários casos em que essa dinâmica me faz refletir sobre: quando é a hora de desistir, quais são os reais motivos me mantém numa relação tóxica, ou por quais razões persisto no que me faz mal? É óbvio que cada qual terá suas explicações e “justificativas”, sonhos e crenças à explanar. Mas aí você deve estar pensando: “Grande porcaria, isso eu já sei de cor e salteado, conte-me uma novidade”. Ok Ok, concordo, isso pode parecer simples, mas muitas vezes o paciente não se dá conta que sua visão ou interpretação dos fatos pode estar comprometida por todo conjunto da obra, se for uma relação de longo período, mais complicado ainda.

relacionamento falido

O processo de separação pode ser extremamente desgastante e assustador, mas quando não tem saída e “a vaca foi pro brejo” a melhor decisão a ser tomada é encarar de frente essa situação, pois só assim você conseguirá se reestruturar de uma forma menos dolorosa.

Não apresse o “luto”, olhe para o fim da relação e reconheça toda dor que isso lhe causou, sinta o que precisa sentir, permita-se sofrer, chore, vale até se descabelar em algum momento, mas a primeira dica que vou lhe dar (se é que me permite) é: NÃO tente ANTECIPAR seu processo de reestruturação. Muitas vezes vejo pacientes pulando de uma relação pra outra no intuito de minimizar o trauma. No entanto esse movimento também pode ser muito prejudicial no decorrer da sua vida, pois não teve seu devido tempo para avaliar erros, certezas, mudanças, padrões, valores e até mesmo restabelecer novos filtros que possam lhe preservar em futuras relações.

relacionamento falido

Isso não quer dizer que deva isolar-se do mundo, renunciar atividades sociais, fazer aquela ceroula velha junto das pantufas e moletom surrado seu uniforme titular da desolação OU o mais comum na atualidade, tornar o NETFLIX seu melhor amigo e com ele passar horaaaas improdutivas de autoflagelação. NAAADA DISSO, vamos em frente, talvez sair para encontrar pessoas queridas ainda não seja tão prazeroso, mas qualquer que seja o tempo em que você conseguir desligar do sofrimento já será válido. Pode ser que sua vontade de ficar no ambiente dure uma, duas, três horas e logo em seguida a dor volte a lhe consumir, mas vale pensar que essas duas ou três horinhas que você “conseguiu desligar” é um tempo que você “deixou de sofrer”. Assim, progressivamente, irá resgatando o entusiasmo nas atividades e consequentemente minimizando a vontade de anular-se da vida.  

Pode ser que sinta saudades, tenha vontade de ligar e se fazer presente, mas vou lhe pedir uma coisa: PENSE MUUUITO bem antes de tomar qualquer atitude, pois pode ser um tiro de bazuca no próprio pé. É muito comum acontecer das pessoas entrarem numa de vitimização, ou tentativas de causar ciúmes com suas ações e postagens, sem contar as espiadinhas nas redes sociais do(a) ex pra investigar o que está fazendo da sua vida. Eu sei que muitas vezes esses movimentos parecem ser os mais triviais a serem feitos, mas é importante ressaltar que INEVITAVELMENTE o primeiro passo pra sair do sofrimento é começar a cuidar de VOCÊ, parece clichê, porém isso será impossível acontecer enquanto estiver se esforçando pra cuidar da vida do outro. Essa NÃO é a hora de gastar sua energia com lamentação, concentre-a toda na SOLUÇÃO.

 

Bueno Jr. 

Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *